Ferida no rosto que não cicatriza pode ser sarcoma de pele

Os sarcomas de pele são extremamente raros e devem ser indicativos de diagnóstico diferencial de lesões de pele que não cicatrizam e crescem de maneira rápida. 

close em rosto de mulher mexendo em ferida no rosto que pode ser sarcoma de pele

Compartilhar

Publicado em: 12/03/2024

Revisado em: 12/03/2024

Os sarcomas de pele, um tipo de câncer de pele, são extremamente raros e devem ser indicativos de diagnóstico diferencial de lesões de pele que não cicatrizam e crescem de maneira rápida. 

 

Quando notamos uma pinta de aspecto duvidoso e formato irregular em alguma região do corpo, automaticamente ligamos o sinal de alerta para um tumor de pele. Isso não acontece à toa, visto que o câncer de pele é um dos mais incidentes na população brasileira e está diretamente relacionado à exposição solar. 

Entretanto, os sarcomas também podem atingir a região do rosto e confundir muita gente na hora do diagnóstico, inclusive médicos, já que a sua incidência não é tão frequente assim. 

Foi o que aconteceu recentemente com a empresária maranhense Juliana Vilela, que foi para o médico tratar o que parecia ser uma pinta ou uma espinha. 

 Ela chegou a fazer vários  procedimentos para tratar o problema, inclusive uma cauterização, mas a ferida não cicatrizava e aumentava cada vez mais. Com mais de 4 milhões de seguidores nas redes sociais, a empresária passou a compartilhar a rotina de exames e desafios até encontrar o diagnóstico que só chegou seis meses depois, em um centro especializado em São Paulo: a pinta na verdade era um sarcoma de pele. 

“Os sarcomas de pele são extremamente raros, mais frequentes em jovens e devem ser indicativos de diagnóstico diferencial de lesões de pele que não cicatrizam, crescem de maneira rápida e feridas que sangram, como o caso em questão. Mas é preciso investigar, pois doenças infecciosas como a leishmaniose cutânea ou infecções fúngicas mais raras também podem se manifestar da mesma forma”, explica o dr. Thiago Assunção, oncologista do Instituto Paulista de Cancerologia (IPC).

Veja também: Câncer na panturrilha? Conheça o sarcoma de partes moles

Tratamento dos sarcomas de pele

Após o diagnóstico, a empresária fez uma cirurgia para remover toda a região do nariz afetada pelo tumor. Ela ainda realizou mais cirurgias de enxerto de pele no nariz, após retirar a pele da testa para reconstruir a região afetada pelo tumor. 

“O tratamento dos sarcomas de pele é essencialmente cirúrgico e deve ser realizado por profissionais experientes, pois demandam retalhos ou enxertos de pele para garantir que o tumor seja retirado com margens livres. O papel de quimio e radioterapia é secundário, uma vez que, em geral, esses cânceres não respondem bem ao tratamento quimioterápico”, diz o oncologista. 

Em abril deste ano, a empresária fará mais uma cirurgia reparadora. Depois, permanecerá indo a São Paulo de três em três meses para continuar o tratamento, até completar dois anos.

O dr. Assunção reforça ainda que o caso da jovem chama a atenção para a necessidade de avaliação criteriosa pelo médico dermatologista, perante lesões de pele que não cicatrizam ou crescem rapidamente. 

“O diagnóstico precoce é essencial para que tenhamos maior chance de cura e é fundamental para que se evite cirurgias muitas vezes mutilantes, sobretudo em áreas sensíveis, como o nariz e lábios”, finaliza o médico.

 

Veja mais

Sair da versão mobile